sexta-feira, 22 de maio de 2009

Brasileiro, eu?

De tanto dizerem que o brasileiro não tem memória, acabamos mesmo nos esquecendo de tanta coisa...
De tanto ouvirmos falar que brasileiro é acomodado, a gente se acostuma...
Ou será que quem diz isso apenas tem razão?
Tenho orgulho de ser brasileira. Quase sempre. Porque há também ocasiões em que minha cara queima de vergonha.
Quando ouço uma estudante de geografia de universidade federal me dizer que vai sim votar em determinado político, e não importa todos os escândalos em que ele se envolveu, todas as acusações de desvio de verba que foram silenciadas. Não importa porque isso é passado. É, o passado não importa. Porque não importa também Fernando Collor de Mello ganhar força política novamente depois do Brasil se mobilizar para tirá-lo do poder num processo de impeachment.
E ninguém se importa com escândalos, desvios de verba, CPIs, dinheiro em cueca, em mala, em qualquer lugar que não seja investimento no povo brasileiro. Não importa.
Ninguém se incomoda com tudo que se vê na televisão, lê nos jornais sensacionalistas que mostram bunda e sangue, nas revistas que falam mal do povo brasileiro e exaltam aqueles que nos pisam. É, não importa. Eu vou votar porque ele faz uns asfaltos de má-qualidade, uns viadutos de espeto. Vou votar no político que rouba mas "faz". Faz investimentos na bolsa, em fazendas, no futuro brilhante dos próprios filhos.
A gente vota é naquele que não fala nada de coerente nas campanhas, mas tem um sorriso legal. Que tem propostas esdrúxulas, mas é gente do povo.
A gente é brasileiro e não desiste nunca.
A gente sorri no ônibus lotado que sobe de preço todo ano. Até reclamamos um pouco. Para os amigos no churrasco mirrado do sábado. Porque na hora de reclamar com quem é responsável por isso...Para que se incomodar?
A gente sorri pro velhinho que está em pé ao lado do banco em que estamos sentados. A gente ri da garota com os braços cheios de livros que perde o equilíbrio quando o ônibus freia.
A gente ri da desgraça que virou nossa vida com impostos que sobem mais de 100% ao ano. Do salário que não entra. O santo dinheiro do nosso suor, que mal dá para pagar as contas do mês e o qual não temos o direito de receber em dia.
A gente acha legal o bolsa-família, bolsa-estudo, bolsa-gás, bolsa-puta-que-o-pariu que o governo paga com o dinheiro que trabalhamos duro para ganhar. Achamos bonito a pessoa que vive em situações miseráveis, que não tem o direito à dignidade de trabalhar e ganha a comida, mas não ganha respeito.
Às vezes, a gente até se choca com assassinatos brutais. Mas no mês seguinte ninguém lembra de mais nada, e logo o assassino está nas ruas e é mais um que ri de nós.
Aqui no Brasil, os políticos corruptos não tem mais nem a dignidade de rir pelas costas do povo. Ri na cara mesmo. Se lixa para a opinião pública, já que pela inércia o público parece não ter opinião.
A imprensa vendida. Os jornalistas de alma vendida. Por que ser diferente num país em que ninguém se importa? É o que EU JÁ OUVI DE VERDADE. Quando alguma mídia mostra nossa triste realidade, seja com humor ou não, a gente até se incomoda. Ri... E aí? Logo estamos votando errado de novo. E não é por inocência. Optamos pelas mesmas pessoas. E então faz todo o sentido do mundo passar meia hora ouvindo notícias ruins no jornal da manhã e a âncora terminar tudo com um sorriso singelo e um: "Bom dia e boa semana".
Teremos uma boa semana. Um final de semana alegre. Sem dinheiro para a cerveja. A gente vai lá e estoura um pouquinho o limite. E engole tudo. Sente o gosto amargo da derrota de não ter forças para reclamar. E espera o ínicio da novela ou o fim da noite.
"Não acomodar com o que incomoda", diz Fernando Anitelli. Só é complicado mesmo quando a gente olha em volta e parece que é o único que se incomoda.

Todo mundo cansado de ver esse vídeo...Mas vou postar de novo. Pra gente rir, né? Porque se manifestar mesmo, tá difícil.

6 comentários:

May™ disse...

"Não acomodar com o que incomoda", diz Fernando Anitelli. Só é complicado mesmo quando a gente olha em volta e parece que é o único que se incomoda.



Então tá mais fácil.. vc não é a única que se incomoda ;]
Belíssimo texto, tom de ironia perfeito! hahaha
Beijo x)

Gabriel disse...

Encontro várias críticas pertinentes que me fazem pergunta "mas por quê?". A resposta não é fácil, mas parece que o sistema todo é construído de forma a nos alienar.

É muito trabalho, são muitas as distrações. O que todos nos dizem é que dói menos quando sentimos menos, a minha resposta é que não nascemos para fugir da dor, mas sim para sermos mais.

Só acho que precisamos tomar cuidado com as generalizações das críticas. É diferente votar em alguém que é ladrão e votar em alguém sob o argumento de que 'veio do povo'. Ser contra a corrupção é diferente de ser contra o bolsa-família ou bolsa educação, ou contra o pagamento de impostos. Este tipo de discernimento é fundamental, principalmente quando precisamos nos unir em torno do que é consensual... (valores quase transcedentes).

beijos!

Lisandro Nogueira disse...

Olá Lidia,
mais uma vez gostei do seu blog. continue firme. Lisandro Nogueira.

Lídia Amorim disse...

May, você é um anjo! Valeu pelo apoio.

Oi Gabriel! Realmente, nascemos para sermos mais.
Eu sei que é diferente votar em alguém que é ladrão e votar em alguém sob o argumento de que 'veio do povo'.
E que ´ser contra a corrupção é diferente de ser contra o bolsa-família ou bolsa educação.
Mas eu sou contra votar em político que rouba e contra votar em pessoas só pq se diz que são 'do povo'. Sou contra a corrupção e também contra esse conjunto de bolsas que asseguram alimento mas num ajudam a pessoa a crescer e ter dignidade. Eu não acho que essas bolsas devessem não existir, só acredito que isso deva ser aprimorado, porque todos nascemos realmente para ser mais. Não temos fome só de comida.

E não sou contra o pagamento de impostos. Só contra a quantidade exorbitante de impostos que pagamos e não sabemos pra onde vai...Aliás, até que estamos sabendo, né? hehehehehe. Abraços pra vc, Gabriel!

Lisandro, muito obrigada por ler meu blog! Fico muito, mas muito feliz cada vez que leio um comentário seu. Por toda a admiração e carinho que tenho por você, me sinto lisonjeada mesmo. Beijo!

lara disse...

Realmente não és a única a se encomodar.
Parece mais que esse texto foi feito pra mim.

Tenho tantas idéias pra mudar o-meu-mundo e fico aqui parada. Sem jeito de falar, de expresar o que sinto, sem achar as palavras certas, sem saber ao certo onde ir.

Sei que isso não mudará nada, que se eu continuar assim tudo continuará do jeito que está, ou piorar. Mas acho que ainda preciso levar uma porrada da vida pra conseguir me levantar e colocar essas minhas idéias de mudar o-meu-mundo em prática.
Mas em quanto isso, fico mirabolando mais e mais coisas pra eu tentar ser uma pouco mais feliz nesse país que eu tanto amo.

"...Mas, se ergues da justiça a clava forte,
Verás que um filho teu não foge à luta,
Nem teme, quem te adora, a própria morte.

Terra adorada
Entre outras mil,
És tu, Brasil,
Ó pátria amada!..."

Beijos

CenouraVerde disse...

Realmente. Corruptos. Mas têm os corruptores. E aqueles que votam nos dois. Que somos nós, responsáveis diretos pela manutenção imbecilesca desse poder hipócrita que é a Política. Sinta-se culpada.